sábado, 17 de dezembro de 2011

Três Iogurtes - Natural, Framboesa e Chá Verde


Iogurte caseiro

Barato 
Com um litro de leite faço 6 iogurtes. 

Uma Escolha Saudável
É mais saudável do que os iogurtes de compra porque têm menos aditivos e porque os probióticos duram mais tempo se os iogurtes forem mais frescos. Os iogurtes nos supermercados ficam muitos dias nas prateleiras e os probióticos acabam por desaparecer aos poucos.

Fácil de fazer 
Basta juntar os ingredientes e colocar na máquina durante 10-12 horas. Basta planear bem o tempo e sem esforço nenhum obtém-se 6 iogurtes (no caso da minha máquina, uma Yogurelle da Ariette).

Muitas opções de sabores
O iogurte caseiro tem mais variedades de sabores porque posso adicionar o que quiser, posso usar o tipo de leite que quiser e a quantidade de açúcar que achar bem.

Iogurte Natural


Iogurte Natural na Iogurteira:

1 litro de leite magro à temperatura ambiente
1 iogurte natural (um probiotico, quanto menos aditivos melhor)
2 colheres de sopa de leite em pó magro (opcional, serve apenas para o iogurte ficar mais firme)

Eu optei por fazer iogurtes sem açúcar e magros porque me preocupam os quilos a mais. Os iogurtes ficam pouco firmes mas são muito cremosos e não são amargos, ao contrário do que podem pensar. 

A primeira vez usei um iogurte de compra, mas podem depois usar um dos iogurtes que fizeram para a próxima "formada" de iogurtes.

Misturei o iogurte com o leite e o leite em pó com uma batedeira de varas e deitei nos copinhos. Ficam 12 horas na máquina, de preferência durante a noite, ou numa cozinha às escuras. Depois de cerca de 4 horas no frigorífico, estão prontos a comer. 

Eu coloco os copos na máquina sem a tampa. Só quando vão ao frigorífico é que ponho a tampa.


Iogurte de Chá Verde Matcha


1 litro de leite magro à temperatura ambiente
1 iogurte natural (um probiotico, quanto menos aditivos melhor)
2 colheres de sopa de leite em pó magro (opcional, serve apenas para o iogurte ficar mais firme)
1 colher de chá pó de chá verde Matcha
1 colher de chá bem cheia de açúcar amarelo

Misturei o iogurte com o leite, o leite em pó, o açúcar e o pó de chá verde Matcha. Deitei nos copinhos. Ficam 10-12 horas na máquina, de preferência durante a noite, ou numa cozinha às escuras. Depois de cerca de 4 horas no frigorífico, estão prontos a comer. 

Iogurte de Framboesa


Para 6 iogurtes:

1 litro de leite magro à temperatura ambiente
1 iogurte natural (um probiotico, quanto menos aditivos melhor)
2 colheres de sopa de leite em pó magro (opcional, serve apenas para o iogurte ficar mais firme)
30 framboesas (eu uso congeladas)

Pus 5 framboesas em cada copinho. Misturei o iogurte com o leite e o leite em pó e deitei nos copos. Ficam 10-12 horas na máquina, de preferência durante a noite, ou numa cozinha às escuras. Depois de cerca de 4 horas no frigorífico, estão prontos a comer. 

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Tagine de Abóbora e Chalotas com Amêndoas e Sultanas


As fotografias ultimamente estão difíceis de tirar. Só cozinho à noite, com pouco tempo para a foto e sem as condições necessárias. Mesmo assim acho que vale a pena partilhar a minha nova mania das tagines. Esta estava mesmo boa. Muito especial. 

Já ficou prometido ao sous chef que a próxima tagine seria de borrego com castanhas, mas ficou acordado também que tínhamos que fazer uma pausa nas comezainas, porque a balança já se queixa.

Fica para já mais uma receita vegetariana, um pouco cara pela quantidade de amêndoas e sultanas, que a tornam também, juntamente com o mel, um pouco calórica. Fica equilibrada pela abóbora que não tem muitas calorias e está cheia de coisas boas: carotenos, fibra e vitaminas A, C e E.

Ultimamente o cesto da sogra vem cheio de abóbora e foi a que usei, apesar da receita pedir butternut squash, que sendo mais firme, se aguentaria melhor sem se desfazer. Façam com a abóbora que gostarem mais. A que vem no meu cesto é óptima e é melhor aproveitar enquanto está na época.

Fiz assim:

Ingredientes:
(para 4 pessoas)

1 colher de sopa de  azeite
1 nó de manteiga
12 chalotas inteiras descascadas
1 dente de alho ligeiramente esmagado
80g de sultanas
80g de amêndoas sem pele
1-2 colheres de chá de pasta de harissa (de compra ou feita em casa)
2 colheres de sopa de mel
1 abóbora butternut média (ou outra abóbora, em quantidade suficiente para 4 pessoas), cortada em fatias
sal, pimenta preta e coentros frescos picados
1 limão em gomos, para servir

 Aquecer o azeite e manteiga numa tagine ou tacho de ferro fundido. Saltear as chalotas e alho até ficarem douradas. Juntar as amêndoas e sultanas e envolver na pasta de harissa* e mel. Adicionar a abóbora e envolver de forma a que passem pelo azeite, especiarias e mel. Cobrir o fundo da tagine com água e deixar cozinhar 20 minutos, mantendo firmes a abóbora e chalotas. 

Temperar com sal e pimenta e servir com coentros picados e um gomo de limão.

Esta tagine pode ser servida como acompanhamento a carnes grelhadas ou apenas com couscous. 

* Para fazer pasta de harissa, coloquem numa picadora 2 dentes de alho picados, 1/2 colher de chá de sal, 1 colher de chá de cominhos, 1 colher de chá de coentros em pó, 4 colheres de azeite, 8 malaguetas secas sem as sementes. Resulta numa quantidade de pasta de harissa que poderá ser guardada no frigorífico, num frasco bem fechado, durante um mês.


segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Tagine de Cenoura e Grão-de-bico com Curcuma e Coentros


Ingredientes:
(para 4 pessoas)

2-3 colheres de sopa de azeite
1 cebola, finamente picada
2 dentes de alho finamente picados
2 colheres de chá de curcúma (açafrão das índias)
1 colher de chá de sementes de cominhos
1 colher de chá de canela
1/2 colher de chá de pimenta preta moída
1 colher de sopa de mel
4 cenouras médias cortadas em rodelas na diagonal
2 latas de 410g de grão-de-bico
sal
coentros
1 limão, cortado em gomos

Aquecer o azeite na tagine (ou numa panela de ferro fundido), juntar a cebola e alho e saltear até amolecer. Juntar a curcuma, cominhos, canela, pimenta, mel e cenouras. Adicionar água até cobrir a base da tagine, e cobrir com a tampa. Cozinhar 20-30 minutos.

Juntar o grão-de-bico, verificar se é necessário adicionar mais água e cozinhar mais 10 minutos ou até a cenoura estar cozinhada. 

Temperar com sal e polvilhar com folhas de coentros. Servir com gomos de limão e couscous.

Receita retirada do livro "Tagine, Spicy Stews from Marocco", de Ghillie Basan.

Salada Marroquina de Pimento


Ofereceram-me uma tagine muito bonita como prenda de casamento, preta, da Mason Cash. Desde que fui a Marrocos, nas primeiras férias com o sous chef, que fiquei com vontade de cozinhar algumas das coisas que comemos. Tagines, pastillas, saladas, gelado de limão com sumo de laranja. A primeira vez que provei comida marroquina foi em Londres, há mais de dez anos, num restaurante na Queen Street onde um marroquino tocava orgão e cantava "habibi, . habibi" e fazia olhinhos à minha irmã.

Cozinhar com uma tagine é tão divertido como fazer comida indiana. Sinto-me sempre uma bruxa à volta do caldeirão, a adicionar especiarias e ervas. Desta vez o caldeirão é mais bonito que a panela cor-de-laranja de ferro fundido onde faço o caril. 

No meu livro de receitas, o google, não encontrei nenhuma receita que me entusiasmasse para experimentar cozinhar com a minha tagine, por isso, depois de uma receita semi-falhada de frango, comprei um livro na amazon que adorei. Tem poucas receitas mas imagino-me a fazê-las todas. Os ingredientes são fáceis de encontrar, não são caros e são saudáveis. As fotos são maravilhosas.

Ontem para dar início ao jantar, fiz uma salada que comia muitas vezes nas férias que fiz na Tunísia, em 2001. Sempre que me sentava em algum restaurante, serviam-nos uma salada parecida com esta, como entrada, e sem sequer perguntar se a queríamos. Era como se fosse uma preparação obrigatória do estômago para o prato principal. Eram saladas fresquinhas e bem temperadas, com tomate, cebola, pimento e pepino. Comia sem pensar na regra fundamental de quem come em tascas nestes países - não comer legumes crus. Não me aconteceu nada, mas cada um que decida por sí. Em Marrocos fiquei bastante doente.

Esta salada em Marrocos é servida de acordo com os legumes disponíveis em cada época. É uma salada estaladiça e bem temperada com limão e menta. Pode ser servida como entrada ou a acompanhar uma tagine mais pesada, para cortar a doçura dos molhos. 

Ingredientes:
(para 4)

1 cebola roxa finamente picada
1 pimento verde cortado em cubos
1 pimento vermelho cortado em cubos
1 chili verde sem sementes, picado (não usei)
2 talos de aipo, cortado às tiras
folhas de menta, picadas
salsa picada
2 colheres de sopa de azeite
sumo de meio limão
sal e pimenta preta acabada de moer

Numa taça, juntar o pimento, cebola, aipo, chili, menta e salsa. Temperar com o azeite, limão, sal e pimenta.

Escolhi esta receita para estrear o meu livro porque pode acompanhar as receitas de tagine que se vão seguir.

Receita retirada do livro "Tagine, Spicy Stews from Marocco", de Ghillie Basan. 

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Falafel e Raita de Pepino




Sempre fiz falafel com grão-de-bico de lata. E ficava bom, mas nunca como o falafel que comia fora de casa. E agora que tenho o passatempo de ler receitas, percebi porquê. Falafel faz-se com grão de bico seco. Para além disso descobri que no Egipto o falafel é feito com favas e eu adoro favas. Decidi experimentar a receita do blog Veggie Belly que mistura grão com favas. Ficou muito bom, provavelmente o melhor falafel que eu  já fiz. Para a próxima vou experimentar o falafel de favas. 


Ingredientes:
½ chávena de grão-de-bico seco
½ chávena de favas congeladas sem casca

½ cebola pequena, picada
1 dente de alho
¼ chávena de coentros picados

¼ chávena de salsa picada

½ colher de chá de cominhos em pó

½ colher de chá de coentros em pó

¼ colher de chá de fermento em pó

2 colheres de sopa de pão ralado (pão do dia anterior em migalhas, não usar pão ralado de compra)

½ colher de chá de sal 
azeite para fritar

Para a raita de pepino:
½ pepino sem casca, ralado
1 iogurte natural
raspa de ½ limão
2 folhas de hortelã picadas

Colocar o grão-de-bico numa taça e encher com água. Deixar de molho durante a noite ou pelo menos 8-10 horas.

Escorrer o grão e colocar em papel de cozinha para absorver a água. Fazer o mesmo com as favas para que fiquem bem secas.


Colocar todos os ingredientes, excepto o azeite, no robot de cozinha e triturar até formar uma massa que não fica homogénea, mas um pouco tipo areia. Se necessário juntar água ou mais pão ralado no caso de estar demasiado húmida.
Com as mãos formar bolinhas e espalmá-las um pouco.
Aquecer o azeite numa frigideira de forma a que o falafel fique coberto até meio. Fritar as bolinhas dos dois lados até ficarem crocantes.
Colocar em papel de cozinha para absorver o excesso de óleo.
Podem servir com humus, molho de tahini e pão pita. Podem ver a receita de humus aqui. para o molho de tahini, misturem um iogurte com duas colheres de sopa de tahini e a raspa e sumo de meio limão.
Eu servi com uma salada de rúcula, abacate, milho e pimento vermelho e raita de pepino. 
Para a raita, ralem o pepino e escorram o excesso de água. Juntem ao iogurte e raspa de limão.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Hambúrguer de Lentilhas com Raita de Tomate


Como já deve ter dado para perceber, gosto muito de lentilhas e de leguminosas no geral. Vi esta receita num blogue que gosto muito, o Pratos e Travessas. Confirmou-se que é de facto um blogue fantástico. Gostei tanto de cozinhar como de comer estes hambúrgueres. Não há nada melhor do que sentir o cheiro de especiarias a cozinhar na sertã. Ficaram tão bons que os 4 hambúrgueres que me dariam para duas refeições, foram comidos num só jantar.

A receita foi alterada para ajustar ao que tinha no frigorífico e ao meu gosto. A receita original está aqui.

Comprei a farinha de grão de bico numa loja de produtos naturais, biológicos e gourmet na baixa do Porto.

Fiz assim:
(para 4 hambúrgueres)

Ingredientes

200 gr. de lentilhas cozidas
1 dente de alho picado

2 colheres de sopa de cebola bem picada
1 colher de sopa de cominhos
1/2 colher de sopa de coentros em pó
4 colheres de sopa de farinha de grão de bico
1 ovo batido
1 colheres de sopa de azeite
Sal e pimenta preta acabada de moer
2 pães pita

Para a raita de tomate:
1 iogurte natural
1 tomate maduro, cortado em cubos pequenos
1/2 colher de sopa de hortelã fresca, picada
1 colher de sopa de coentros picados
1 colher de sopa de cebola picada

Aqueça o azeite numa sertã e junte as lentilhas cozidas e o alho. Frite uns minutos até alourar. Junte a cebola, as especiarias,  tempere de sal e pimenta e mexa. Junte a farinha de grão de bico, mexa bem e deixe cozinhar por 2 a 3 minutos. Ponha a mistura numa taça e deixe arrefecer. Assim que estiver à temperatura ambiente, junte o ovo batido, mexa bem para ligar e leve a mistura ao frigorífico por uma hora. Tire a mistura de lentilhas do frio e com as mãos, molde ou corte hambúrgueres. A seguir grelhe os hambúrgueres numa sertã ou chapa. 

Para fazer a raita basta juntar todos os ingredientes.

Comi os hambúrgueres com pão pita. E esqueci-me do abacate no frigorífico. Teria ficado bem.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Duas Compotas de Abóbora



A Sogra mandou-me um pedaço enorme de uma abóbora e eu levei as mãos à cabeça "O que é que eu vou fazer com isto tudo". Mas demorou pouco até lhe pedir outro pedaço igual. Abóbora dá para fazer tanta coisa. Guisados, assados, sopinhas e a minha compota preferida - abóbora. 

Ando a treinar nas compotas e saem-me bem apesar de ter sempre o dilema da quantidade açúcar. Não gosto quando são muito doces mas quando lhes tiro o açúcar ficam mais líquidas (e não quero usar pectina, acho que é batota). Para uma próxima tiro mais 100g e vejo o que acontece. De qualquer forma estas duas receitas já são aceitáveis quando ao grau de doçura. E já vou mandar um frasco à minha mana, ou seja já é digna de ser oferecida.

Compota de Abóbora e Cenoura

1 Kg de abóbora
600g de açucar
2 cenouras cortadas em juliana
2 paus de canela
2 cravinhos
1pedaço de casca de limão
nozes e amêndoa em palitos (a gosto)

Levar todos os ingredientes num tacho ao lume e deixar cozinhar, mexendo de vez em quando, até atingir o ponto estrada. Retirar a canela, casca de limão e cravinho. Eu passo um pouco com a varinha mágica mas mantendo pedaços de abóbora e cenoura inteiros, mas não é obrigatório. Junto nozes e amêndoas.

Guardo em frascos esterilizados.  

Cortei a cenoura em juliana com o descascador de cenouras e assim consegui tiras muito fininhas.

Compota de Abóbora e Amêndoas

1 Kg de abóbora 
600g de açúcar
1 pau de canela
sumo de 1 limão
amêndoas em palitos
canela em pó

Coloquei a abóbora, açúcar, sumo de limão e pau de canela num tacho e levei ao lume cerca de uma hora,  até atingir o ponto estrada. Juntei as amêndoas e canela em pó e guardei em frascos esterilizados.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Perca Recheada


Comprei uma revista que é uma grande ajuda quando chega a hora de decidir o que fazer para o jantar, a Saúde à Mesa. São receitas rápidas e baratas com ingredientes que normalmente temos em casa ou facilmente encontramos no supermercado. Já fiz duas receitas e saíram bem as duas.

Esta vou repetir talvez com outro tipo de filete. A perca é óptima mas tenho algumas dúvidas acerca de ser um peixe amigo do ambiente.

Fiz algumas alterações à receita original, usando mais legumes.

Fiz assim:

Ingredientes
(para duas pessoas)

Dois lombos de perca cortados a meio.
sal 
alho
sumo de limão
4 fatias de beringela grelhada (comprei no jumbo, congelada)
4 rodelas de pimento verde
1 mão cheia de espinafres
1 tomate cortado às rodelas
2 cogumelos laminados
200 ml de vinho banco
salsa picada

Temperei a perca com limão, alho e sal e sobre coloquei duas metades numa travessa. Recheei com beringela, pimento, espinafres e cogumelos. Fiz uma sandwich com a outra metade da perca, prendi com um palito e coloquei uma rodela de limão no topo. Temperei um fio de azeite, reguei com o vinho e levei ao forno a 180ºC, 35-40 minutos.

Servir com broculos ou uma batata cozida e salsa picada.

domingo, 13 de novembro de 2011

Guisado de Abóbora com Quinoa


Mais uma receita para a Segunda-feira sem carne. Esta também me foi enviada pela minha irmã e aproveitei para usar a abóbora que a minha sogra me manda. As sementes de fenugreek e as folhas de caril talvez não sejam fáceis de encontrar num supermercado normal, mas no Porto já há uma loja que tem todas as especiarias indianas que possam precisar. Chama-se Flor d´açafrão e fica no Centro Comercial Miguel Bombarda.


Ingredientes:
(para duas pessoas)

Azeite

1/2 cebola picadinha

piri-piri
1/2 colher de chá de fenukgreek
1 colher de chá de açúcar mascavado
6 folhas de caril 
1 dente de alho
300g de abóbora cortada aos cubos
1/2 colher de chá de açafrão das índias
Pus as sementes de fenugreek no azeite e refoguei até começarem a cheirar bem. Depois juntei a cebola e quando estava refogada, juntei o piri-piri (a gosto), as folhas de caril, o açúcar (opcional), a abóbora, o alho (cotado em 2 ou 4 pedaços) e o açafrão. Tapei a panela e deixei cozinhar em lume brando até a abóbora ficar cozinhada, mas sem ficar papa. A ideia é deixar "suar" a abóbora. Se a abóbora for muito seca, juntar um fundinho de água.

Para a quinoa:
1 copo de quinoa
azeite
172 cebola picada
1 mão de ervilhas e feijão verde congelado
1/2 cenoura cortada em cubos muito pequenos

Lavar a quinoa e escorrer. Refogar a cebola e cenoura no azeite, juntar a quinoa, as ervilhas e o feijão verde. Juntar dois copos de água quente, temperar com sal, tapar o tacho e cozinhar cerca de 15 minutos

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Lentilhas e Espinafres com Arroz Integral



Decidi que vou tentar publicar uma receita vegetariana (prato principal) por semana, para entrar no movimento Meat Free Monday. Pode ser que sirvam de inspiração para quem procura mudar a forma como se alimenta. Comecei com uma receita de lentilhas muito fácil, para provar que qualquer um pode fazer uma refeição saudável e barata em 45 minutos. 


O arroz integral leva um pouco mais a ficar pronto que o arroz normal mas pode-se cozinhar exactamente da mesma forma, só que com um pouco mais de água (três medidas de água para uma de arroz).


As lentilhas são uma boa fonte de proteína, ácido fólico e fibra que faz baixar o colesterol. As lentilhas secas precisam apenas de ser passadas por água antes de cozinhar e demoram cerca de meia hora a ficarem prontas. 


Os espinafres estão na minha lista de alimentos milagrosos. Com poucas calorias (41 por 100g) estão cheios de nutrientes: vitamina K, carotenos, vitamina C, ácido fólico, manganês, magnésio, ferro e vitamina B2, B6, E e B1. Os espinafres têm o dobro do ferro de outros legumes de folha verde.


Ingredientes
azeite
1/2 cebola cortada às rodelas
1 dente de alho picado
1/4 colher de chá de cominhos em pó, 

1/2 colher de chá garam massala, 
1/4 colher de chá de caril em pó
1/2 colher de chá de açafrão das indias em pó
150g de lentilhas secas
1 tomate pequeno maduro aos cubos
1 cenoura cortada aos cubos
espinafres
coentros ou salsa picada
 
Fiz um refogado com a cebola e o alho, depois juntei as especiarias até comecarem a cheirar bem. Juntei as lentilhas, cenoura e o tomate. Adicionei um copo de água a ferver, tapei o tacho e cozinhei 20 minutos. Fui adicionando água a ferver para não deixar secar. Juntei os espinafres, mexi tudo bem e cozinhei mais 10 minutos.
 
Servi com arroz integral, polvilhado com salsa picada.



Esta receita foi-me enviada pela minha irmã, por e-mail, junto com outras receitas cheias de legumes, especiarias e coisas que nos fazem bem e sabem ainda melhor.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Pão Doce de Banana e Nozes



Este pão foi uma desculpa para gastar duas bananas já muito feias que tinha na cozinha. Ficou óptimo. Eu queria chamar-lhe pão, sem o doce, mas não me deixaram. Mas bolo não é certamente. 


É bom quando está fresco por isso só o aconselho a comer no próprio dia ou no dia seguinte. Depois fica seco e perde a graça. Eu cortei o que sobrou às fatias e congelei. Será fácil de descongelar no microondas, envolvido num guardanapo para não secar.


Uma boa opção para o pequeno-almoço ou para levar como lanche para o trabalho. 


A receita é da revista Easy Food de Fevereiro/Março. O resultado visual final ficou muito diferente da fotografia da revista. Mas como ficou tão bom não vou sequer questionar-me porquê.


Ingredientes:
300g de farinha com fermento
40g de açúcar amarelo (a receita original pedia 70g)
100g de miolo de noz
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
2 ovos
250ml de leite
2 bananas médias esmagadas


Aquecer o forno a 180º C. Forrar uma forma de 10x20cm com papel vegetal.


Peneirar a farinha para uma taça. Juntar o açúcar, nozes e bicarbonato de sódio e misturar tudo bem.


Adicionar os ovos, leite e bananas e misturar tudo até ficar uma massa homogénea.


Deitar a massa na forma e levar ao forno 45 minutos ou até que um palito inserido no meio saia seco. 


Deixar arrefecer completamente e servir às fatias.

sábado, 5 de novembro de 2011

Pão de trigo, milho, aveia e flocos de centeio

Decidi que ia deixar de escrever neste blog porque estava a ficar gorda e a conta do supermercado estava a ficar gorda também.


Mas a verdade é que cozinho todos os dias, porque como todos os dias. E entre tudo o que vou cozinhando no dia-a-dia, vai haver sempre algo digno de publicação, mesmo não sendo o prato mais original ou gourmet. O meu blog não tem um tema mas se pensar bem, comecei a escrevê-lo porque me interessava por alimentação saudável e variada. E de um momento para o outro, entusiasmei-me e comecei a cozinhar bolos, bolachas e pratos pesados que não fazem parte da minha alimentação do dia-a-dia. 


Todas as semanas faço pão, barro compota nas torradas, como aveia ao pequeno-almoço, iogurte ao lanche, preparo o almoço ou o jantar escolhendo os ingredientes que acredito que me fazem falta. Gosto de beber sumos de fruta com muito gengibre, fazer sopas cheias de legumes da horta da minha sogra, e adoro usar especiarias. Uma vez por semana, faço um super jantar mas não me apetece fazer sempre algo super inovador nem sequer experimentar uma receita nova todas as semanas. 


E no meio disto tudo, vai sempre haver qualquer coisa para publicar no meu blog. Hoje fiz pão. E porque as fotografias de pão são todas iguais, vou começar a por qualquer coisa em cima das fatias. De qualquer forma, raramente comemos pão sem nada. E assim posso publicar todas as minhas receitas de pão e acompanhá-las de fotos coloridas.


Ingredientes:
300ml de água
1 colher de chá de sal
350g de farinha de trigo
50g de farinha de trigo integral
50g de farinha de milho
50g de aveia
1 iogurte natural
2 colheres de sopa de flocos de cevada
2 colheres de sementes de sésamo


Colocar os ingredientes na cuba da máquina de fazer pão, seleccionar o programa normal. Três horas depois têm pão quentinho!!


Cortei um abacate a meio, descasquei-o e coloquei a polpa numa taça. Com um garfo desfiz o abacate, barrei numa fatia de pão, coloquei fatias de tomate e queijo feta por cima. Polvilhei com oregãos. Foi o meu almoço, com um creme de agrião e abóbora.

Arroz de legumes no wok


Um wok é o melhor amigo de quem tem pouco tempo para fazer uma refeição. Basta um monte de legumes, que podem ser os que mais gostarmos, arroz ou noodles, gengibre, alho e sesamo e voilá! Jantar pronto e saudável (a carne é opcional e não faz assim tanta falta). Cozinhar os legumes de forma rápida e sem água é a melhor forma de conservar os nutrientes.

O meu wok foi das melhores prendas de casamento que recebi. Bem, pelo menos a que uso mais vezes.

Com muito pouco tempo para fazer o jantar, fiz assim:

Ingredientes
Arroz basmati (100g)
150g de carne de porco cortada às tiras
1 embalagem de rebentos de soja
5 couves de bruxelas cortadas em juliana
1/2 pimento verde cortado em tiras
1 rodela de gengibre fresco ralado
1 dente de alho picado
azeite
2 colheres de sopa de molho de sésamo
3 colheres de sopa de sementes de sésamo

Numa panela com pouca água, cozi arroz basmati (cerca de 15 minutos). Escorri o arroz.

Aqueci azeite no wok e fritei as tiras de carne. Quando estavam douradas, juntei o gengibre e o alho e mexendo sempre, cozinhei mais um minuto. Juntei os legumes e cozinhei tudo, mexendo sempre até os legumes ficarem cozinhados mas firmes. Juntei o arroz e o molho de soja, misturei tudo. Polvilhei com sementes de sésamo e servi. 

Se preferirem podem usar também óleo de sésamo misturado com o azeite.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Compota de Abacaxi e Gengibre



Esta compota é para amantes de doces pouco doces e de gengibre. É amarga e doce. Usei pouco açúcar porque não gosto de compotas em que o açúcar mascara o sabor da fruta e usei muito gengibre (porque na compota de laranja fiquei desiludida com a falta de aroma a gengibre). 

O abacaxi tem muito pouca pectina e normalmente as compotas de abacaxi são misturadas com outra fruta como pêra ou maçã, que são ricas em pectina e que assim fazem com que a  compota fique mais sólida.

Mesmo assim arrisquei e fiz a compota só com abacaxi e com muito pouco açúcar (dois factores que contribuíram para uma compota ligeiramente líquida). O abacaxi é uma fruta muito doce por isso pede pouco açúcar mas se preferirem uma compota mais doce, adicionem mais 50-100g.

Fiz assim:

Ingredientes
1 Kg de abacaxi já descascado e cortado em cubos de cerca de 1 cm
300g de açucar
25g de gengibre cortado em palitos fininhos
200ml de água
sumo e polpa de 1 limão

Coloquei a água e o açúcar num tacho ao lume e fervi até o açúcar se dissolver e a mistura ficar translúcida. Juntei o abacaxi, gengibre, sumo e polpa de limão.

Cozinhei em lume médio durante uma hora mexendo regularmente. Passei com a varinha mágica de forma a manter alguns pedaços inteiros.

Esta compota provavelmente não atinge o ponto estrada. Não tentei sequer que o fizesse senão corria o risco de a cozer demais.


Guardar em frascos esterilizados e depois de fria, manter no frigorífico.

Está líquida mas muito saborosa. Vai ficar óptima em torradas, misturada com iogurte natural ou num bolo de abacaxi (os chamados upside down cakes).

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Compota de Laranja e Gengibre


Este Domingo vieram os sogros conhecer o novo ninho do filho recém casado e deixaram cá ficar a revista do Diário de Notícias. Nas últimas páginas li um artigo sobre compotas que me chamou a atenção. Eu tenho sempre compota no frigorífico mas não consigo fazê-las. A fruta que já foi para o lixo porque eu não acerto com a receita. E acho que a culpa é das receitas. Sim, das receitas. Vêm mal explicadas para quem não tem experiência e eu preciso de tudo explicadinho para fazer algo que nunca fiz. E esta receita de compota de laranja também não ficou a 100% mas definitivamente não por culpa da receita mas da cozinheira. Falhei um passo e não gosto dos doces assim tão doces. 

O que aprendi com esta receita: a laranja tem que ser cortada em rodelas muito finas (e não em cubos como eu imbecilmente fiz). O açúcar tem que ser reduzido em pelo menos 150g. Tem que levar o triplo do gengibre.

Mas....esta é a primeira compota comestível que saiu dos meus tachos! Que rico pequeno-almoço esta manhã! Pão fresquinho da minha máquina com compota de laranja e gengibre.


Fiz assim:


Ingredientes para a compota:
1 Kg de laranjas
2 limões
açucar - o mesmo peso da fruta depois de descascada (dependendo do gosto de cada um, retirem um pouco  porque eu acho que fica muito doce)
3 dl de água
1 rodela de gengibre cortado em palitos pequenos e fininhos


Ingredientes para o pão:
300ml de água
1 colher de chá de sal grosso
400g de farinha de trigo
100g de farinha de centeio
3 colheres de sopa de flocos de cevada
2 colheres de sopa de sementes de sesamo
1 iogurte natural
12g de fermento fresco (à venda no Pingo Doce)


Compota de laranja e gengibre


Lave bem as laranjas. Com a ajuda de um descascador, retire o vidrado da casca das mesmas. Corte em tirinhas e leve-as ao lume a branquear em água fervente cerca de 10 minutos. Retire da água e escorra. Elimine a parte branca das laranjas e corte-as em rodelas e depois em pedaços e regue com o sumo de limão. Nesta altura, pese as laranjas. A quantidade de açúcar será a mesma do peso das laranjas. Para a próxima vez, vou retirar uns 150g de açucar porque achei a receita muito doce. 


Leve o açúcar ao lume com a água e quando o açúcar de dissolver e a água fiar transparente, coloque as tiras da casca de laranja branqueadas. Deixe ferver cerca de 10 minutos e junte a polpa da laranja. Vá mexendo até obter o ponto certo. Vai demorar cerca de uma hora.


Uma opção será colocar o gengibre 15 minutos antes de terminar de cozinhar a laranja. Ou em vez do gengibre adicionem amêndoas em palitos (só no final).


Guardar em frascos esterilizados, e depois de frio, manter no frigorífico.


Pão de trigo, centeio e cevada


Coloque os ingredientes na cuba da máquina de fazer pão pela ordem da lista de ingredientes. Seleccione o programa para pão normal (3 na minha máquina). Espere três horas até terminar o programa, retire o pão da máquina e arrefeça numa grelha. Depois de frio guarde numa caixa ou saco plástico.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...